Inflação descontrolada?

Eu não sou economista, obviamente, portanto qualquer análise aqui postada não passa de achismo e especulação. Qualquer um está livre para criticar minhas conclusões (gentileza evitar agressões desnecessárias). Senti vontade de fazer isso pois cansei de ouvir sobre os problemas econômicos do Brasil e a inflação descontrolada e ver números jogados ao vento. Eu precisava dos dados. Certamente economistas e outras pessoas já analisaram estes dados e isso deve estar publicado por aí, naqueles blogs que os tucanos vão insistir que não são confiáveis. Enfim, este blog não é partidário e é praticamente anônimo, ou seja, de certo modo é isento.

Todos os dados aqui utilizados foram obtidos pelo IPEADATA. Você pode não concordar com minhas análises, mas os dados são estes.

Em primeiro lugar, vamos ver os dados absolutos anuais acumulados da inflação desde 1994 até 2014 (Figura 1).

 IPCA 94-14

Figura 1 – IPCA anual de 1994 a 2014. * Para o ano de 1994 está considerado apenas o acumulado de Julho a Dezembro, período de abrangência do Plano Real. Em 2014 está considerada a inflação de 6,5%, teto da meta. A linha indica a tendência de queda na inflação nos últimos 20 anos.

Uma das discussões sobre inflação se referem aos números que FHC herdou e como ele deixou quando saiu. Estou desconsiderando nesta análise os dados anteriores ao plano Real, pois não acho justo com o governo Itamar Franco, que foi o que implantou e assumiu o Plano Real com todas as possibilidades de fracasso que existiam. Assim, os dados referentes a 1994 só estão contabilizado a partir de Julho. Obviamente, portanto, para dados absolutos acumulados, a inflação de 1994 está subestimada.

Apesar de subestimada, no entanto, está longe dos 900% que tucanos gostam de dizer que foi a herança de FHC. Não foi. Podem espernear o quanto quiserem, mas FHC não recebeu o Brasil com inflação de 900% ao ano. Na realidade, a inflação acumulada de 1994 foi de 275,84% e em 1993 foi de 373,79%. Muito alta, certamente, mas ainda bem longe dos 900% que muitos tucanos e o próprio então presidente Fernando Henrique Cardoso afirmam. O que se pode observar, é que no governo Collor/Itamar, a inflação estava em ritmo acelerado de elevação (Figura 2).

IPCA Itamar

Figura 2 – IPCA acumulado anual no governo Itamar Franco. 1, 2 e 3 correspondem aos anos de 1991, 1992 e 1993, respectivamente. Notar a linha de tendência equivalente à linha dos valores, com R2=0,9995.

A análise de variância (ANOVA) mostrou que a variância observada entre estes três anos diferem significativamente (p<0,001), o mesmo para o teste de Tukey entre as médias. Enfim, a inflação durante o governo Collor/Itamar Franco estava sim em avanço crescente e preocupante. Havia a necessidade de uma intervenção, que veio na forma da dolarização mascarada da economia, o Plano Real nosso velho conhecido.

Outra argumentação tucana é que o Plano Real estabilizou a economia e, posteriormente, os governos do PT puderam usufruir desta estabilização para desenvolver os projetos sociais. A estabilização da economia é algo inegável, assim como é inegável a forma diferente que os governos PSDB e PT lidaram com a inflação. Vamos analisar agora os números da Figura 1 de uma forma diferente, não utilizando mais valores absolutos anuais, mas médias e desvios padrão (Figura 3).

inflação médias mensais

Figura 3 – Médias e desvios padrão da IPCA anual entre os anos de 1994 e 2014.

Os economistas que me perdoem, mas não vejo estabilização entre os anos de 1995 e 2002, período governado por FHC. Vejam o desvio padrão das médias da IPCA deste período. Este desvio padrão significa que mensalmente a inflação oscilava absurdamente. O mesmo aconteceu no primeiro ano de mandato de Lula. Depois de 2003 o desvio padrão fica mínimo.

Diferente de “o governo FHC estabilizou a economia para Lula usufruir”, vejo mais um esquema de uma luta constante contra a inflação, como se fosse um monstro indomável durante o governo FHC e que, por algum motivo tornou-se mais dócil, mais fácil de manejar. Sabemos muito bem que as formas de lidar com a inflação é diferente entre PSDB e PT, portanto, podemos concluir que são estas formas diferentes de lidar que resultaram em algo mais efetivo de controle e estabilização alcançado apenas após 2003.

Uma outra análise que achei interessante fazer foi verificar cada mandato independentemente (Figura 4). Afinal de contas, a cada candidatura a reeleição os candidatos gostam de falar que vão mudar coisas para melhor. Pois bem, em 1998 houve a primeira eleição no Brasil onde os então presidentes poderiam se candidatar à reeleição. Fernando Henrique Cardoso foi o primeiro beneficiado. Sua reeleição tornou-se garantida em parte provavelmente devido à baixa inflação do período. Uma das menores da história. De 1994 para cá foram, então, dois mandatos de FHC, dois mandatos de Lula e até o momento um mandato de Dilma.

IPCA por mandatos

Figura 4 – IPCA acumulado anual por mandato de cada presidente antes de Dilma, com linha de tendência indicando baixa ou alta com valores de R2.

Desta forma, é possível verificar que o primeiro mandato de FHC e Lula reduziram a inflação consideravelmente, com uma ligeira vantagem para Lula. O segundo mandato de FHC, entretanto, apresentou uma alta bem superior à observada no segundo mandato de Lula. Mandato este caracterizado pela grave crise de 2008 e que, segundo o FMI, poderá durar uma década.

E quanto ao governo Dilma? Tucanos gritam à todo pulmão que a inflação está descontrolada. Está? De acordo com a Figura 5, podemos ver que a inflação está sim crescente, mas com um nível de crescimento semelhante ao do governo anterior, de Lula e ainda abaixo do nível de crescimento observado no segundo mandato de FHC.

IPCA Dilma

Figura 5 – IPCA acumulado anual no mandato de Dilma. Valor para 2014 de acordo com o teto, conforme projeções atuais.

Por fim, voltemos à Figura 3 para observar que o desvio padrão das médias inflacionárias do governo Dilma é muito baixo. Isto significa que a inflação existe, mas aparentemente está sob controle. Uma explicação para a subida da inflação deste ano pode ser dada à crise hídrica que estamos vivendo, com a maior seca dos últimos 50 anos para a região Sudeste. Secas como esta dão enormes prejuízos e tornam a produção agrícola mais cara, encarecendo seus produtos e aumentando a inflação.

Enfim, podem haver outras explicações, mas não outros fatos. Diante destes, não consigo ver uma inflação desgovernada como os oposicionistas do atual governo estão propagando. Mas como escrevi acima, não sou economista, e isso não passa de achismo. Você pode perder seu preconceito e analisar os números por si mesmo, como eu fiz, e pode ler as explicações dos economistas de ambos os lados, pois se há uma coisa a respeito de economia é que dificilmente há uma única explicação possível.

2 thoughts on “Inflação descontrolada?

  1. André Baptista ha detto:

    O ponto ia ficar ainda mais claro se colocasse os gráficos de IPCA e dos dissídios anuais de diversas categorias. Ia ficar claro como o poder de compra aumentou.

Questo sito usa Akismet per ridurre lo spam. Scopri come i tuoi dati vengono elaborati.