Xampu de DNA

Hoje dei uma geral nos termos que as pessoas buscam no meu blog. Ri de algumas, me espantei com outras, mas houve várias pessoas pesquisando sobre xampu (ou shampoo) com DNA vegetal que resolvi escrever algo mesmo que rapidamente. Levantei a lebre há algum tempo nesta postagem.

Tecnicamente, qualquer produto originário de um ser vivo pode conter DNA. Quando você come arroz com feijão, está comendo DNA de arroz e de feijão, e misturando tudo no seu estômago. Quando come carne também (ah, ok, está mais difícil de comer carne hoje em dia, né?), está comendo DNA do animal. Assim como os carboidratos (açúcares), os lipídios (gorduras) e as proteínas, os ácidos nucléicos (DNA – ácido desoxirribonucleico e RNA – ácido ribonucleico) são biomoléculas, moléculas que fazem parte da estrutura e do funcionamento dos organismos vivos, portanto, presentes em todos eles.

Que função teria eu me alimentar de DNA? Bom, os nucleotídeos (os tijolos de construção dos ácidos nucleicos) podem ser reutilizados ou pelo menos parte deles. Podem até ser utilizados como fonte de energia em alguns casos. Fora isso, seu efeito é nulo. Não absorvemos DNA inteiro de outros organismos, nem mesmo em pedaços funcionais. Os genes deles são completamente “degradados”. Também é verdadeiro quando falamos de esfregá-lo no corpo (ou no cabelo). Que função teria o DNA de uma plante em seu cabelo? Absolutamente nenhuma função. Além disso, há que se pensar nas quantidades. Quanto de extrato vegetal realmente tem em um frasco de xampu? miligramas? O DNA é uma parte ridiculamente pequena de todo o extrato vegetal utilizado para fazer um cosmético. Em um frasco, imaginando que realmente tenha algum traço de DNA, não passará de nanogramas. Fato é que o processamento industrial, na realidade, destruirá qualquer resquício de DNA que possa ter nos mililitros de extrato vegetal de um frasco de xampu.

O DNA só tem função dentro da célula a qual ele pertence. Lá ele pode ser lido e traduzido para produzir todas as proteínas que a célula precisa para ela própria ou para exportar (hormônios, por exemplo). Da mesma forma podemos incluir a clorofila, aquela molécula captadora de energia solar nas partes verdes das plantas e que um dia já fizeram propaganda de creme dental com ela! Para quê exatamente? Para nada. Ela não tem nenhuma função (além da fonte de Magnésio, que nem é o mais importante) fora do fotossistema dos cloroplastos.

Um pé atrás quanto às propagandas e uma atenção maior às aulas de biologia podem te fazer pensar melhor antes de comprar um produto. Ele até pode ser bom, mas não por causa do que está sendo propagado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.