Esta frase não é de Darwin!

Compartilhe...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Share on TumblrEmail this to someoneDigg this

A internet facilitou bastante a comunicação e o acesso das pessoas à conteúdos textuais diferentes do que poderiam encontrar sem ela. Isso não é novidade. Mas também não é novidade a falsa atribuição de determinadas frases a pessoas que não a disseram ou escreveram. Vou comentar um pouco sobre uma frase atribuída a Charles Darwin que jamais vem com o local exato de onde foi retirada e que pelo sentido dela eu duvido que realmente seja de Darwin.

Alguns autores que já foram vítima deste tipo de ação puderam se defender, pois estão vivos e ativos até mesmo na internet (ver aqui). Entretanto, outros não têm a mesma oportunidade. Por isso eu gostaria de tecer alguns comentários sobre a seguinte frase, atribuída a Charles Darwin:

“Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças”.

O primeiro indício de que esta frase não é de Darwin é o simples fato de ela não ser encontrada em bons sites sobre evolucionismo. Ela é frequentemente encontrada em sites de autoajuda, juntamente com outras frases motivadoras.

Conforme apontado neste site, aparentemente não é só o público leigo que acaba sendo vítima destes mal entendidos, pois esta frase supostamente consta de uma placa na Academia de Ciências da Califórnia.

O segundo indício é que a frase é pura e simplesmente errada! Esta frase vai contra tudo que sabemos sobre evolução. Sim, a frase está errada. Mas o que está errado?

Posso estar errado na interpretação, mas principalmente em relação a como ela é aplicada, ela quer dizer que uma pessoa não precisa ser a mais inteligente ou a mais forte para ter sucesso. Basta ser capaz de se adaptar à mudanças.

Vejamos. Mudanças acontecem frequentemente à nossa volta. Coisas dão errado o tempo todo e é óbvio que precisamos estar preparados para enfrentar todas as dificuldades. Certamente aquelas pessoas que conseguem mudar suas atitudes em resposta a uma mudança conseguirão mais facilmente sair de problemas. Enfim, a frase é um consolo para aqueles que, como a imensa maioria da população, não são os mais inteligentes, nem os mais fortes. Como de uma forma ou de outra de um modo geral todos conseguem superar as dificuldades, elas podem se sentir consoladas apesar de não terem sido agraciadas com o máximo da inteligência ou força.

Até aí, tudo bem. É uma frase de autoajuda como milhares de outras. O problema é que ela é atribuída a Darwin, de modo que passa uma mensagem de que na natureza é assim que funciona e que isto de alguma forma é uma conclusão de Charles Darwin. Aproveitando que Darwin é responsabilizado por  decifrar o modo como a natureza funciona, atribuir esta frase a ele torna o consolo ainda mais forte.

Bom, mas eu afirmei que a frase está errada. Voltemos então à questão da evolução. A frase indica que uma pessoa pode se adaptar. Adaptação ao meio é evolução. Entretanto, quando os evolucionistas falam de adaptação, não estão falando de um indivíduo, mas de uma população. Indivíduos não evoluem ou se adaptam. Populações evoluem ou se adaptam. Ou seja, uma mensagem evolucionista não pode ser utilizada como autoajuda da forma como está pois ela não é direcionada a uma pessoa qualquer, mas a uma população. A estas mudanças individuais que os organismos fazem em resposta ao meio ambiente chamamos aclimatação.

Isto acontece porque evolução é a mudança ao longo das gerações. Se são necessárias gerações para acontecer evolução, é óbvio que um indivíduo, uma pessoa, não pode evoluir ou se adaptar no sentido biológico. O fato é que quando se analisa a população como um todo, ao longo das gerações ela se adapta às mudanças do ambiente através da sobrevivência e reprodução diferencial, ou seja, os indivíduos (agora sim) mais aptos sobrevivem e deixam mais descendentes. Analisando em termos individuais, continua sendo algo como “o mais forte”, embora isso seja um sentido figurado pois, para cada espécie ou população, são as pressões do ambiente que vão dizer em que os organismos precisam ter um diferencial para sobreviver até a idade reprodutiva e deixar mais descendentes.

Portanto, você que viu esta mensagem por aí e leu o que escrevi, procure não propagar a frase e, mais ainda, ajude a desmentir sua autoria e sua “verdade”.

Epílogo:

Para complementar, esta frase está entre as seis frases comumente atribuídas a Darwin que ele nunca disse.

Nesta página, os autores desafiaram a quem pudesse explicar a verdadeira origem de alguma delas, o que foi feito por Nick Matzke em 2009. De acordo com Nick em seu blog, esta frase teria sido uma paráfrase escrita pelo professor de Administração e Marketing da Louisiana State University, Leon Megginson.

Ele teria escrito em 1963: “According to Darwin’s Origin of Speciesit is not the most intellectual of the species that survives; it is not the strongest that survives; but the species that survives is the one that is able best to adapt and adjust to the changing environment in which it finds itself.”

O único problema é que esta frase não está no livro de Darwin. Muito provavelmente Megginson citou de modo não literal a forma como tinha compreendido da ideia de Darwin. De qualquer forma, a frase original também não expressa o pensamento correto de Darwin e eu me estenderia demais para explicar corretamente. As diferenças são sutis, mas cruciais para se ensinar e propagar o que realmente é evolução biológica. É necessário que os grupos racionalistas, de pensadores, críticos da ciência e afins tomem cuidado com isso. Não adianta propagar uma ideia se esta ideia está errada.

————

PS.: Eu não disse que a frase encaixa bem em auto ajuda? Pelo menos não a atribuíram a Darwin.

positividade

28 thoughts on “Esta frase não é de Darwin!

  1. Rubens Pazza disse:

    John Quimera Gentileza reler. No final do texto há a explicação sobre isso. "Nesta página, os autores desafiaram a quem pudesse explicar a verdadeira origem de alguma delas, o que foi feito por Nick Matzke em 2009. De acordo com Nick em seu blog, esta frase teria sido uma paráfrase escrita pelo professor de Administração e Marketing da Louisiana State University, Leon Megginson.

    Ele teria escrito em 1963: “According to Darwin’s Origin of Species, it is not the most intellectual of the species that survives; it is not the strongest that survives; but the species that survives is the one that is able best to adapt and adjust to the changing environment in which it finds itself.”"

  2. Rubens Pazza disse:

    Olá!

    "é óbvio que um indivíduo, uma pessoa, não pode evoluir ou se adaptar no sentido biológico".

    Pois é. Foi isso que escrevi. Não há como ter um indivíduo que se adapta. Por isso não há como sobreviver um indivíduo que se adapta. Ou ele tem a variação pré-existente necessária para que sobreviva, ou não tem (e não sobrevive). Após o evento, a frequência do gene na população muda, indicando evolução. Mudanças que acontecem nos organismos vivos individualmente que possibilitam que ele se ajuste a algumas mudanças (como subir a uma elevada altitude, por exemplo) são aclimatações, não adaptações.

    Não há como desatrelar adaptação da evolução no sentido biológico. Evolução é a mudança na frequência de genes ao longo de gerações, enquanto adaptação é o ajuste de populações a determinado ambiente através de seleção natural. A frequência dos genes também pode flutuar ao longo das gerações por deriva genética, mas isso não leva à adaptação.

    Portanto, quando uma frase supostamente de Darwin afirma que sobrevive quem se adapta, não há forma alguma que ela esteja correta. Não sobrevive quem se adapta (isso implica mudança intrínseca e até uma força interior lamarckiana). Sobrevive o apto. Aquele que tem a variação necessária para sua sobrevivência. Apto e adaptado não é a mesma coisa. Por isso não podemos falar em indivíduo adaptado, mas em população adaptada. Tanto que o coeficiente de seleção é utilizado em cálculos de genética de populações, pois são as populações que mudam ao longo das gerações.

    E não, não critiquei quem busca autoajuda. E sim, procuro sempre manter o compromisso com as bases científicas.

    De qualquer forma, obrigado pelo comentário!

  3. Kaique Robert disse:

    Pelo meu ponto de vista você esta certíssimo ou nos adaptamos as coisas novas ou ficaremos para traz !

  4. Day Pilatti disse:

    Discordo completamente. Se qualquer pessoa quiser usar esta frase para blog de auto-estima, whatever, ok, cada um faz o que quer com o conteúdo disponível na internet. Mas é um dever da ciência aplicar um conceito (no caso, de evolução) de forma correta. Mesmo que nao seja comprovado que é de Darwin, a sentença esta correta, posto que mais "forte" e mais "inteligente" são qualidades distantes da situação de "melhor adaptado". E não, a evolução não ocorre no sentido população > inidvíduo, mas no sentido contrário, pois o fenótipo melhor adaptado é do indivíduo e pode ou nao ser compartilhado pela população. Além do mais, a frase não diz que o indivíduo melhor adaptado "evolui", como o senhor coloca (…é óbvio que um indivíduo, uma pessoa, não pode evoluir ou se adaptar no sentido biológico…"), ela diz que o organismo SOBREVIVE!! se sobreviver a determinado evento implicará em aumento de fitnes para o indivíduo, e se este for passado adiante antes que ele morra, e o fenótipo responsável por tudo isto for fixado na população… ai sim falamos de evolução. Gostaria ainda de dizer que encontrei este post numa busca rápida e fiquei decepcionada pelo conteúdo ser mais uma crítica a quem busca auto-ajuda do que um post compromissado com conteúdo cietífico da frase.

  5. John Quimera disse:

    parece que sim, pena que o auto do texto não pesquisou mais a fundo.

  6. Nota: Frase proferida por Leon C. Megginson, professor da Louisiana State University, num discurso em 1963, onde apresenta a sua interpretação da ideia central de "A Origem das Espécies" de Charles Darwin. 😉

  7. Também posso estar errado na interpretação, mas vejo 100% de sentido nessa frase.

  8. Jeane Reis disse:

    Se adaptar não tem nada a ver com evoluir.
    A frase pode ate nao ser do Darwin mas faz sentido pra mim do jeito em que esta.

    1. Rubens Pazza disse:

      Prezada Jeane, pelo contrário. Em termos biológicos, adaptação é quando uma população torna-se como um todo mais apta a sobreviver em determinadas condições ambientais. Adaptação é evolução por meio da seleção natural (deriva genética, por exemplo, não explica adaptação).

  9. Carla Seixas disse:

    Rubens, como você mesmo disse em seu texto na parte que coloca que pode estar errado com a interpretação da frase, sinto em informar que, sim, essa interpretação esta realmente errada.
    Primeiro gostaria de salientar que Charles Darwin foi o gênio da evolução, porem ele não é e nunca foi Deus, caso você acredite neste, e portanto ele é capaz de errar como qualquer ser-humano. Afinal é por isso, que a atual teoria da evolução chama-se neodarwinismo, que se trata da teoria aperfeiçoada por cientistas mais atuais, que encontraram alguns poréns na teoria original de Darwin.
    Só que mesmo assim eu ainda defendo o fato de que a frase em si não está errada – independentemente dela ter sido do próprio Darwin ou do Nick Matzke citado em seu epílogo acima, apesar de ainda não ter sido convencida de que a frase não veio de Darwin – pois é facilmente entendível, que força e inteligência também fazem parte do abrangente conceito de adaptação, mas que não são as únicas, nem mesmo as mais determinantes para uma espécie se adaptar. Um exemplo que pode estar citado nos textos de autoajuda ou não: algumas vezes é necessário se adaptar a regras das quais não se está de acordo, em um determinado ambiente, para que possa sobreviver e até conviver em paz (ambiente do qual poderia ter a própria vida frequentemente ameaçada, por exemplo).
    E seu conceito de que apenas uma população é capaz de evoluir, também está errado. Pois a evolução, propriamente dita, acontece em fases. Na primeira fase é sim possível haver a mutação ou mudança, em apenas um indivíduo, posteriormente esse indivíduo passar a mutação à seus descendentes, o número de indivíduos com a mutação ir crescendo com o tempo, e com o tempo o ambiente extinguir os indivíduos não adaptados através da seleção natural, ou os que obtiveram a mutação, não deletéria, se tornarem uma nova espécie a partir da espécie ancestral. A continuação da evolução que é ao longo das gerações e portanto atribuída a populações, não o seu início!
    E o fator principal da frase é que ela está direcionada a todos os seres vivos existentes e não apenas ao ser humano e seus comportamentos particularizados a partir de seus conceitos desenvolvidos ao longo do uso de sua inteligência, que é uma evolução muito bem adquirida, mas que não nos torna melhores ou superiores com relação aos diversos seres vivos, pois eles não evoluíram intelectualmente mas continuam evoluindo ambientalmente, enquanto os humanos perderam a capacidade de evoluir ambientalmente a partir do momento que passam a modificar o ambiente a seu favor e não o contrario.
    Por fim gostaria que você, como formador de opiniões, perceba o quanto as coisas que envolvem o evolucionismo é relativo e depende do ponto de vista e que, por isso, possa enxergar todas as possibilidades do assunto discutido, antes de publicar e incentivar os leitores a propagar suas percepções, um pouco precipitadas.
    Sou aluna de biologia no 5º semestre, sou fascinada pela evolução e pela genética e tenho Charles Darwin como ídolo. Porem te-lo como ídolo não influencia as conclusões que adquiro ao longo dos meus estudos.

    1. Rubens Pazza disse:

      Olá Carla!

      Muito obrigado pelo comentário. É muito bom ver estudantes críticos. No entanto, devo discordar de você em alguns pontos. Vejamos:

      “Rubens, como você mesmo disse em seu texto na parte que coloca que pode estar errado com a interpretação da frase, sinto em informar que, sim, essa interpretação esta realmente errada.
      Primeiro gostaria de salientar que Charles Darwin foi o gênio da evolução, porem ele não é e nunca foi Deus, caso você acredite neste, e portanto ele é capaz de errar como qualquer ser-humano. Afinal é por isso, que a atual teoria da evolução chama-se neodarwinismo, que se trata da teoria aperfeiçoada por cientistas mais atuais, que encontraram alguns poréns na teoria original de Darwin.”

      Bom, não, Darwin não era inequívoco. Entretanto, a nova síntese evolutiva, muitas vezes também chamada de neodarwinismo, não aconteceu por erros no pensamento de Darwin. Na realidade, a nova síntese aconteceu pois descobriu-se informações mais detalhadas sobre como a evolução acontece – seus mecanismos. Uma das áreas que contribui bastante para isso foi justamente a genética de populações.

      “Só que mesmo assim eu ainda defendo o fato de que a frase em si não está errada – independentemente dela ter sido do próprio Darwin ou do Nick Matzke citado em seu epílogo acima, apesar de ainda não ter sido convencida de que a frase não veio de Darwin”

      Bom, não fui o único e nem o primeiro a notar que a frase não é de Darwin, como você pôde conferir nos links postados acima. O fato de ela não bater com o pensamento de Darwin é apenas uma das evidências (e o fato de não estar no livro ao qual a frase é atribuída é outra). Não estar convencida é um direito seu, mas neste caso, então, sugiro ir mais a fundo, ler os livros de Darwin, ler suas correspondências, e descobrir por si mesma se a frase está lá ou não. Você realmente não precisa acreditar no que eu ou o Nick Matzke escreve puramente por acreditar.

      “pois é facilmente entendível, que força e inteligência também fazem parte do abrangente conceito de adaptação, mas que não são as únicas, nem mesmo as mais determinantes para uma espécie se adaptar.”

      É extremamente complicado estabelecer exatamente que características permitiram a uma espécie se adaptar a determinado ambiente. É possível que força e inteligência tenham sido importantes para humanos, por exemplo? Talvez sim, talvez não.

      “Um exemplo que pode estar citado nos textos de autoajuda ou não: algumas vezes é necessário se adaptar a regras das quais não se está de acordo, em um determinado ambiente, para que possa sobreviver e até conviver em paz (ambiente do qual poderia ter a própria vida frequentemente ameaçada, por exemplo).”

      Aqui tem um equívoco bastante comum. Do ponto de vista biológico, adaptação requer gerações. O que você está se referindo biologicamente é chamado de aclimatação. Nós nos aclimatamos a diferentes situações. Um indivíduo se aclimata a diferentes situações, mas ele não pode adquirir características novas que permitam que ele, sozinho, se adapte a algo.

      “E seu conceito de que apenas uma população é capaz de evoluir, também está errado. Pois a evolução, propriamente dita, acontece em fases. Na primeira fase é sim possível haver a mutação ou mudança, em apenas um indivíduo, posteriormente esse indivíduo passar a mutação à seus descendentes, o número de indivíduos com a mutação ir crescendo com o tempo, e com o tempo o ambiente extinguir os indivíduos não adaptados através da seleção natural, ou os que obtiveram a mutação, não deletéria, se tornarem uma nova espécie a partir da espécie ancestral. A continuação da evolução que é ao longo das gerações e portanto atribuída a populações, não o seu início!”

      Não, não está errado. O que não existe são estas fases a que você se refere.

      Para acontecer evolução por seleção natural (que é o único mecanismo que explica a adaptação), é necessário o cumprimento de 4 requisitos:

      1 – ocorrência de variação – Pode acontecer como você citou, por mutação, mas também pode acontecer por recombinação ou até mesmo por migração;
      2 – reprodução – é através da reprodução que novas combinações de genes são passadas aos descendentes;
      3 – herdabilidade – a característica em questão precisa ser herdável. Se o ambiente é responsável por 100% do sucesso da característica, ela não será passada aos descendentes;
      4 – variação dependente de fitness – esta característica nova precisa conferir algum valor adaptativo diferencial em relação à média.

      Não há como observar isso em fases, pois tudo está acontecendo simultaneamente. Não há uma fase em uma população em que ela está acumulando mutações para depois haver seleção… Isso acontece o tempo inteiro.

      Se, como você mesma escreveu, a mutação precisa ser passada para os descendentes, isso automaticamente significa que aquele indivíduo que sofreu a mutação não “se adaptou”, mas o que está acontecendo é uma alteração no equilíbrio, mudando a frequência com que este novo gene está acontecendo dentro da população. O que está mudando é a frequência do gene na população. Por isso é que quem evolui é a população, e não o indivíduo.

      Lembre que uma mutação, por definição, é uma alteração estável no DNA. Por ser estável significa que pode ser transmitida para os descendentes pela reprodução. Para isso, esta alteração precisa acontecer em células gaméticas e, a partir daí, ser transmitida aos descendentes. Não adianta um indivíduo durante sua vida sofrer uma mutação no DNA de células nervosas dotando-o de incrível inteligência. Isso não será passado aos descendentes. É preciso que a alteração aconteça nos gametas e, assim, o indivíduo em si não terá a característica, concorda?

      Enfim, não dá pra tratar essa dinâmica toda como tendo fases. Não lembro de estar assim em nenhum livro didático (Futuyma ou Ridley, os melhores atualmente), mas se você tiver a fonte dessa informação prometo dar uma conferida.

      “E o fator principal da frase é que ela está direcionada a todos os seres vivos existentes e não apenas ao ser humano e seus comportamentos particularizados a partir de seus conceitos desenvolvidos ao longo do uso de sua inteligência, que é uma evolução muito bem adquirida, mas que não nos torna melhores ou superiores com relação aos diversos seres vivos, pois eles não evoluíram intelectualmente mas continuam evoluindo ambientalmente, enquanto os humanos perderam a capacidade de evoluir ambientalmente a partir do momento que passam a modificar o ambiente a seu favor e não o contrario.”

      Bom, aqui há outras controvérsias. Aparentemente a inteligência de vários animais parecem ser devido ao aumento da massa encefálica correlacionada com o número de células (não apenas volume cerebral). Há uma hipótese interessante sobre a evolução da inteligência em humanos de que o cozimento dos alimentos tenha permitido o crescimento cerebral por diminuir a tensão de musculatura mandibular (usada para mastigação). Na verdade, há uma série de características humanas notadamente desenvolvidas por seleção natural e ela acontece ainda hoje, mesmo os humanos podendo mudar seu ambiente. Mais devagar, certamente, mas acontece. A globalização, na verdade (muito mais do que o fato de mudarmos o ambiente), com a constante migração e diminuição dos mecanismos de isolamento reprodutivo é que tem sido mais responsável pela nossa evolução mais lenta nos últimos anos. A medicina também.

      Enfim, não importa a quem a frase está direcionada: não se trata de evolução no sentido biológico. Evolução por seleção natural, no sentido biológico do termo, depende necessariamente dos quatro fatores que citei acima. Vale para qualquer ser vivo.

      “Por fim gostaria que você, como formador de opiniões, perceba o quanto as coisas que envolvem o evolucionismo é relativo e depende do ponto de vista e que, por isso, possa enxergar todas as possibilidades do assunto discutido, antes de publicar e incentivar os leitores a propagar suas percepções, um pouco precipitadas.”

      Esse é o problema. Muitos acham que em evolução tudo depende do ponto de vista, mas não é assim. Evolução é ciência e, como tal, depende de fatos e evidências. Os fatos e evidências são publicados em periódicos científicos, de onde se extraem as informações que vão para livros didáticos e de onde deve partir a informação para divulgação científica para as pessoas em geral.

      Em geral, quando um assunto pode ser abordado de diferentes maneiras eu tento fazer assim. Mas quando se trata de opinião, é certo que vou justificar com o máximo de embasamento a minha própria. Em se tratando de questão de opinião, outros podem ter uma contrária, mas igualmente terão que desenvolver seus argumentos para justificar e convencer do contrário. Neste caso, não é nem questão de opinião, é questão de um erro muito difundido e uma correção.

      Espero que agora tenha ficado um pouco mais claro o motivo pelo qual um indivíduo não pode se adaptar ou evoluir.

      “Sou aluna de biologia no 5º semestre, sou fascinada pela evolução e pela genética e tenho Charles Darwin como ídolo. Porem te-lo como ídolo não influencia as conclusões que adquiro ao longo dos meus estudos.

      Excelente! Continue sendo crítica, mas não se descuide da base. Não sei que livro de evolução vocês costumam utilizar na disciplina, mas por aqui normalmente utilizamos com os alunos o Futuyma, o Ridley e o Freeman. São os melhores na minha opinião atualmente.

  10. Verdade rss.O texto além de ser confuso, generalizado e controverso.E melhor avisá-lo, que individuo ou população antes de evoluírem, precisam sobreviver.

  11. André Anlub disse:

    O autor desse texto está equivocadamente generalizando; se caso ele se enquadra nos inteligentes e/ou nos fortes o erro é ainda maior (pode ser caso para ressuscitar Freud).

  12. Também penso como você, Claudinéia.

  13. Marcos Malfer disse:

    Olá Rubens, muito obrigado pela sua clara explicação sobre a origem dessa frase, confesso que sou um dos que acreditavam que essa frase foi dita por Darwin.
    Pelo que entendi, o que o Leon tentou transmitir baseando-se nas teorias de Darwin seria de que os indivíduos de uma determinada espécie que tem mais chances de sobreviver são aqueles que melhores se adaptaram em relação as condições impostas a eles, seja essa adapatação é de força, inteligência, agilidades, resistência a escassez de comida, enfim, é a partir de uma adaptação.
    Esses indivíduos teriam uma maior probabilidade de procriar entre sí, passando suas características para próxima geração que por sua vez teria que também se adaptar a condições similares ou não, e assim por diante, gerando um ciclo, ao qual associamos a evolução.
    Enfim, é uma frase de impacto, um dos motivos de ser usada mais para fins de auto-ajuda do que pra ciência em si, mas acredito que ela não é só isso, é uma frase de auto-ajuda feita por Leon Megginson que se inspirou na teoria evolucionaste de Charles Darwin e com excelente interpretação.
    Apenas um ponto de vista, enfim…

    1. Rubens Pazza disse:

      Então, Marcelo, o problema é que os indivíduos não se adaptam. Adaptação é mudança. É o deslocamento do equilíbrio da frequência dos genes de uma população. Estes indivíduos que portam alelos para características melhores deixam mais descendentes e, com isso, a população torna-se mais adaptada.

      Para aceitar adaptação individual teríamos que aceitar Lamarck. Teríamos que aceitar que um indivíduo, por exemplo, de repente, sofreu uma alteração num gene tal que deixou-o mais apto. Ok, mas ou essa mutação é ninja e aconteceu em todas as células dele, ou aconteceu na célula alvo e foi passado adiante por ter acontecido também em células gaméticas, ou ela simplesmente não vai ser passada adiante, portanto, não é evolução.

  14. Encontrei a frase publicada no face pelo portal dos administradores, e entendi como uma dica para o mundo dos negócios, por que o mercado esta em constante mudança, e quem sobrevive neste mercado, não é o mais forte nem o mais inteligente, mas quem consegue se adaptar as mudanças.
    Essas mudanças são causadas pela evolução da tecnologia que joga no mercado uma enxurrada de informações e produtos a disposição dos clientes, que por sua vez estão cada vez mais exigentes e seletivos, fazendo com que as empresas tenham jogo de cintura para se adaptar as mudanças que são frequentes no mercado competitivo.

  15. Essa frase é sobre a teoria da evolução e não sobre comportamento humano. Não viaja.

    1. Rubens Pazza disse:

      Prezado André,

      Aí é que está o problema. Ela é muito comumente compartilhada para mensagens de auto ajuda (uma rápida pesquisa no Google vai possibilitar ver isso). A questão não é nem isso, como tentei deixar claro no texto.

      Caso seja realmente específica sobre a teoria da evolução, conforme escrevi no texto, ela torna-se absurdamente errada. Bom, está escrito no texto, como você pode ler.

      São dois pontos, pura e simplesmente:

      1 – a frase não é de Darwin;
      2 – do ponto de vista de evolução biológica, está incorreta (o que por si já é prova de que não é de Darwin);

  16. Rogério Reis disse:

    Rubens, essa frase se aplica ao princípio de eficiência. Inteligência e força não estão necessariamente ligados ao princípio da eficiência. Animais fortes, como leões, tem menos de 30% de eficiência em seus ataques, índice que dificultaria muito a sobrevivência numa situação de escassez de presas. Podemos ver a idéia central da frase em muitos momentos da evolução. Para ficar num exemplo recente: estudos comprovam a diminuição das asas de algumas espécies de aves que habitam regiões próximas a grandes rodovias de tráfego intenso, tornado mais fácil e rápida a movimentação, tanto na decolagem quanto no ar, possibilitando “desvios” mais eficazes dos carros que transitam por essas vias. Informações sobre esse interessante estudo podem ser encontradas em: http://www.newscientist.com/article/dn23288-birds-evolve-shorter-wings-to-survive-on-roads.html?cmpid=RSS|NSNS|2012-GLOBAL|online-news . Outro exemplo clássico da ineficiência da força e da inteligência em algumas situações é a extinção dos dinossauros. Por ser um princípio verdadeiro, não vejo problemas da aplicação da frase em “autoajuda”, embora considere bobagem quase tudo referente ao assunto.

    1. Rubens Pazza disse:

      Rogério, certamente quando se fala de adaptação os pontos a serem considerados podem ser inúmeros. É extremamente complexo compreender sob que gene ou conjunto de genes o W está pesando. Por outro lado, força e inteligência em muitos casos podem sim ser responsáveis por valores adaptativos mais elevados. No entanto, não é disso que se trata. A questão não é essa. A frase em si denota evolução como uma questão individual, enquanto a evolução biológica trata de populações.

      Obviamente não há problema nenhum em utilizá-la em autoajuda. Quem se utiliza disso pode fazer da forma como achar melhor. O problema é que ligando a frase à Darwin tenta-se dar um aval de que este tipo de coisa é natural. Sugere-se um direcionamento, uma resposta individual e automática a uma mudança. Isso não é evolução biológica, jamais seria algo dito por Darwin. Tanto que não foi, como comprovado nos links que postei.

  17. Marta Rehme disse:

    Caro Rubens Pazza foi com surpresa que me deparei com este seu texto, pois tambem acreditava que esta frase fosse de Darwin, inclusive a uso com freqüência quando faco palestras para calouros.
    A frase ” Não sao os mais fortes e nem os mais inteligente que sobrevivem, mas sim os que melhor se adaptam as mudanças” acho muito oportuna para mostrar aos alunos que eles precisam se adaptar rapidamente ao esquema da universidade quando deixam os bancos da escola e dos cursinhos e sofrem com a transição.
    Obrigada por chamar a atencao… Vou continuar usando a frase com a observação de que a mesma tem sido ” atribuída a Darwin” e nao como de sua autoria.

  18. Rubens Pazza disse:

    Para complementar, esta frase está entre as seis frases comumente atribuídas a Darwin que ele nunca disse: http://www.darwinproject.ac.uk/six-things-darwin-never-said

Deixe uma resposta